Shaping the future of animal health
Portugal

Tratamento da Leishmaniose

 

    Limitação das actuais estratégias de tratamento    

O tratamento da leishmaniose canina é difícil e, frequentemente, os cães têm recaídas. A localização intracelular do parasita e o seu metabolismo protegem-no do sistema imunitário do hospedeiro e da maioria das terapias.

Já existe um produto veterinário leishmanicida de nova geração para cães, seguro e de fácil administração. É também a escolha ideal para aqueles cães que não respondem aos tratamentos clássicos ou que não podem ser tratados com determinados medicamentos devido à insuficiência renal de que padecem.

 

    Tratamento intensivo e tratamento complementar    


Uma vez diagnosticada a leishmaniose, deverá realizar-se um tratamento intensivo de 1 mês, que poderá ser efectuado através de medicação injectável ou na forma líquida para misturar com a comida (ver +).

Milto.png

Após os 30 dias, o cão deverá seguir um tratamento complementar consistente com a toma diária de comprimidos durante 6 a 12 meses. Depois deverão realizar-se controlos periódicos para prevenir possíveis recaídas e restabelecer a medicação, se (ou quando) for necessário.

Tendo em conta que a leishmaniose é, actualmente, uma doença incurável e com grande prevalência no território português, é imperativo combatê-la com todos os instrumentos disponíveis. Quantas mais as medidas adoptadas para reduzir o risco de infecção e travar o desenvolvimento da doença, mais se reduzirá o contágio e a propagação, podendo vir a ser possível controlar o alcance quantitativo e qualitativo da mesma.

É necessário que toda a sociedade e, em especial, os tutores de cães tenham consciência da gravidade deste problema e actuem de forma a solucioná-lo. As boas práticas diárias juntamente com os avanços científicos são armas muito potentes com as quais podemos proteger os nossos animais de uma doença dolorosa e, muitas vezes, mortal.


O sucesso em cada pequena batalha contra a leishmaniose está nas nossas mãos!